O mundo do Whisky Escocês é cheio de mistérios, ricas histórias, romances e, às vezes, alguns perigos. Então, não é nenhuma surpresa descobrir que há algumas grandes histórias, mitos e lendas em torno do uisge beatha (uísque em Gaélico). Leia algumas Lendas do Whisky Escocês.

Byeway, O Fantasma da Destilaria Glenrothes

Como uma criança órfã encontrada sob um arbusto em uma pista na África durante a Guerra Boer, Biawa “Byeway” Makalaga foi resgatado na virada do século 20 pelo Coronel Grant de Rothes que levou-o de volta para a Escócia. Quando ele cresceu, se tornou o ajudante do Coronel no time de futebol da vila e, era uma figura muito conhecida e amada em Rothes.

Sete anos após sua morte, em 1972, após a instalação de um novo par de alambiques na destilaria, o fantasma de Byeway teria aparecido em duas ocasiões distintas na sala do alambique. Nada de sinistro aconteceu, mas uma preocupação enorme tomou conta da vila, o que por sua vez encorajou a convocação de Cedric Wilson, um professor universitário para investigar os acontecimentos.

Wilson chegou e permaneceu por alguns minutos fora do cemitério vizinho à destilaria, em silenciosa contemplação. Ele então foi direto para uma única lápide a cerca de 70 metros da destilaria. Parecia estar falando com o falecido. Depois de alguns minutos, retornou anunciando que a questão poderia ser amigavelmente resolvida pela correção da colocação dos alambiques.

Aparentemente, Wilson havia discutido o assunto com Byeway em seu túmulo e descobriu que sua inquietação se resumia ao desalinhamento dos alambiques. Byeway aparentemente temia que isso afetasse o uísque produzido. Os alambiques foram devidamente consertados e o fantasma de Byeway não foi mais visto desde então e, como sinal de respeito, tornou-se uma tradição na destilaria a “Toast to the Ghost” (um drinque ao fantasma), com um copinho de vinho dos Glenrothes.

Lendas do Whisky Escocês: Destilaria Glenrothes


Lendas do Whisky Escocês: Destilaria Glenrothes

O Cervo Branco de Arran

Uma de outras Lendas do Whisky Escocês, é a Lenda do Cervo Branco. A história do cervo branco também é bem conhecida pelos habitantes de Arran.

Permanente orgulhosa e alta, esta criatura quase fantasmagórica foi descoberta em toda a ilha ao longo dos séculos. Se é o mesmo veado ou não é impossível que as pessoas digam, mas muitos dizem que é.

Há muito tempo se reconhece que boa sorte vem para aqueles que enxerga, o cervo branco e muitos procuram quando visitam a cidade. O cervo branco é o rei de todos os cervos que vivem na ilha – dos quais existem muitos – e os jovens veados competem para desafiar este monarca durante o cio.

Ainda invicto, o cervo branco mantém a primeira escolha das criaturas da ilha e é frequentemente visto com quatro ou cinco outros em sua companhia.

Na manhã em que a destilaria Arran abriu, o cervo branco foi visto no prado em Lochranza, com vista para o novo edifício da destilaria. Ele foi visto pelo gerente da destilaria o que trouxe-lhes boa sorte desde então.

Lendas do Whisky Escocês: Cervo Branco
Lendas do Whisky Escocês: Cervo Branco

Dougal e o Gigante de Atholl

Há muito tempo, dizia-se que um grande gigante aterrorizava a terra de Atholl (que hoje é a parte alta de Perthshire). Os gigantes – criaturas que aparentemente eram um problema comum naqueles dias – não tinham nada além de desprezo pelos humanos e frequentemente roubavam gado. Pior, o gigante esvaziaria qualquer depósito de grãos que encontrasse, enchendo seu grande saco e deixando comunidades inteiras lutando para sobreviver durante o inverno.

Cansado das constantes predações desse incômodo gigante, Dougal, um jovem caçador de um dos muitos clachans que cercam o vale do gigante, arquitetou um ousado plano para livrar as terras desse incômodo. Dougal era esperto o suficiente para saber que lutar contra a criatura seria idiota demais, bem como muitos que tentaram e agora seus corpos estavam espalhados pelos vales.

Em vez disso, Dougal se esgueirou até onde o gigante mantinha seus ganhos ilícitos, encontrando ali sacos de aveia, potes de mel e, inacreditavelmente, vários pequenos barris de uísque. Foi então que ele começou a formular um plano. Usando a faca, ele cortou o saco de aveia, despejou-os no que era claramente o copo do gigante (uma pedra escavada que descansava atrás de um poço de pedra), antes de adicionar o mel e os dois barris de uísque. Ao se deparar com essa surpresa generosa, o gigante bebeu o suficiente e acabou adormecendo sob um antigo carvalho. Vendo sua chance, Dougal saiu de seu esconderijo sob os sacos de aveia e matou o gigante enquanto dormia.

Dougal voltou para sua casa como um herói e sua receita para o Atholl Brose foi passada de geração em geração.

O Highlander e o Diabo

Há alguns séculos, um jovem highlander (pessoa que habita as Terras Altas na Escócia ou dela é natural) chamado Tom Campbell, deixou sua casa em Wester Ross para se tornar um marinheiro como muitos de seus parentes faziam naqueles dias.

Juntando-se a um navio em Ullapool, Campbell viajou por toda parte antes de voltar para casa em Wigtown, onde, apaixonando-se por uma garota local, decidiu se estabelecer e criar uma família.

Tom aceitou um emprego no ferreiro local e logo ele e sua esposa tiveram três adoráveis ​​filhos. Agora Tom, gostava da beatha usige (uísque) e costumava tomar um gole ou dois quando terminava um dia duro de trabalho. E era um trabalho árduo, pois a cidade havia sido sitiada por uma praga e Tom era um dos poucos homens capazes que não haviam sucumbido à doença.

Depois de uma mudança que terminara mais tarde, Tom parou na taverna local e comprou uma garrafa do melhor uísque que ele podia comprar, com medo de que ele tivesse que passar mais tempo em casa se a praga piorasse. Antes de sair, ele fez um brinde dizendo: “A praga é o trabalho do demônio! Mas ele não vai tirar o melhor de mim!”.

Indo para sua casa, o caminho estava escuro e apenas a luz da lua cheia lhe dava qualquer importância. De repente, ele ouviu uma risada grosseira e virou-se para encontrar-se diante do próprio demônio. “Tom! Ouvi dizer que você está rindo às minhas custas! Agora é hora de pagar”. Ele soltou um rugido enorme, destinado a assustar o jovem. No entanto, ele havia julgado mal o Highlander. “É você”, disse Tom, “esperava que fosse mais honesto. Você vai tomar uma bebida?”.

Com ​​isso, Tom tirou do casaco sua boa garrafa de uísque e ofereceu ao Diabo. Tom não sabia que tipo de spirit o diabo estava acostumado, mas o jovem Highlander poderia dizer que ele nunca bebeu nada parecido com o que ele estava atualmente saboreando.


Compre Já o Seu!

Conheça 4 Famosas Lendas do Whisky Escocês 1
EDGAR ALLAN POE: MEDO CLÁSSICO, VOL. 2

Antes que Tom soubesse, o diabo havia entornado quase a metade da garrafa. “Guarde um pouco para mim!”, Tom chorou e pegou de volta a garrafa para tomar um pouco do Whisky. O diabo cambaleou ligeiramente e Tom pensou consigo mesmo que o diabo claramente não estava acostumado a absorver as coisas boas. “Bem, agora”, explodiu o diabo “Vamos lutar por sua alma pelo código da cothrom na feinne, o jogo justo da Fianna.” Com isso ele quis dizer o antigo código de combate Highlander. Tom assentiu com a cabeça e o diabo continuou: “Se eu ganhar, sua alma será minha”. “E se eu ganhar?”, Tom perguntou, para o qual o diabo sorriu, confiante de que o Highlander iria perder. “Improvável, mas nomeie seu prêmio”. Tom continuou: “Se eu ganhar, você removerá a praga e deixará as pessoas desta área em paz”.

O diabo concordou e os dois se emparelharam para lutar. Tom era um pouco mais alto que seu adversário nefasto, mas o diabo tinha o maior volume.

Por conseguinte, os dois lutaram por horas e Tom tomou força dos goles de uísque que consumira, enquanto o diabo parecia estar lutando bêbado.

Finalmente, quando a luz do amanhecer começou a brilhar e os dois terminavam de lutar na praia, o pé do diabo escorregou e Tom o jogou de costas. O Highlander soltou um grito alto de comemoração e o diabo o amaldiçoou antes de desaparecer. Exausto, Tom caiu no chão e, tomando um último gole de sua garrafa, desmaiou.

Ele foi acordado horas depois pelo padre local que estava procurando por ele com a esposa de Tom. Essa é uma bênção dupla – gritou o padre – porque encontramos o seu marido! – Dupla benção? – Tom perguntou, meio tonto, enquanto sua esposa o abraçava. “A peste, meu querido homem, se foi esta manhã, as pessoas não estão mais doentes”. Embora ninguém acreditasse nele, Tom sabia que, com a ajuda do Whisky, ele havia derrotado o diabo naquela noite e salvado o povo de Wigtown.

E aí, o que achou dessas Lendas do Whisky Escocês? Bacanas né? Leia Mais Lendas Legais Aqui. Abraços Sombrios!

Escolhidos Para Você!